Domingo , Janeiro 23 2022
decora_publicidade
decora_publicidade
publicidade_reunidas-01
anuncio_baratãodoaçõ
anuncio_forno-de-barro
anuncio_reunidas

LEGISLAÇÃO ELEITORAL NÃO PERMITE MAIS ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FAZER DOAÇÕES E EXCEDER NOS GASTOS COM PUBLICIDADE.

Desde o último sábado, 1º de janeiro de 2022, a administração pública não poderá mais doar bens, valores ou benefícios a cidadãos. A regra, prevista na Lei das Eleições, de 1997, vale nos anos eleitorais, mas tem exceção para situações de estado de calamidade, emergência pública e programas sociais (com orçamento em execução e esteja fixado em lei), como o programa Auxílio Brasil. Ele substituiu o Bolsa Família, e dará parcelas de R$ 400 aos beneficiários.

A exceção prevista na lei envolve, por exemplo, a realidade vivida em várias regiões do país que estão enfrentando enchentes e deslizamentos de terra devido às fortes chuvas. Os principais estados com problemas são a Bahia e Minas Gerais. Na Bahia, as chuvas já causaram 24 mortes e deixaram mais de 90 mil pessoas desabrigadas ou desalojadas.

 

 

A partir de agora os órgãos públicos (federais, estaduais ou municipais) também precisam ficar de olho nos gastos com publicidade. A Lei das Eleições veda que esses gastos sejam maiores que a média do valor investido dos primeiros semestres dos últimos três anos, que antecedem o pleito.

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) aprovou o calendário das eleições de 2022 no último dia 16. As eleições para escolha do presidente da República, governadores, senadores, deputados federais, estaduais e distritais irão ocorrer no dia 2 de outubro. O segundo turno, no caso dos cargos do Executivo, se darão no dia 30 de outubro. Os candidatos eleitos serão diplomados até o dia 19 de dezembro do próximo ano.

Também deste sábado passado as entidades de pesquisa já estão sendo obrigadas a registrar as pesquisas eleitorais no Sistema de Registro de Pesquisas Eleitorais (PesqEle), detalhe: até cinco dias antes da sua divulgação.

A janela partidária, por sua vez, abre no dia 3 de março e vai até 1º de abril. O prazo é para que candidatos que ocupam cargos de deputado federal, estadual e distrital possam sair de seus partidos e migrar para legendas nas quais pretendem se candidatar, sem que sofram punições.

 

 

Sobre Marcos Almeida

Veja também!

GOVERNO DISCIPLINA EXIGÊNCIA DO PASSAPORTE VACINAL PARA ACESSO AOS ÓRGÃOS PÚBLICOS

Portaria Conjunta nº 01/2022 – Sesap/Sead estabelece novas medidas para prevenir a transmissão do novo …