anuncio_recanto-do-sertão
anuncio_gnet
anuncio_forno-de-barro
anuncio_baratãodoaçõ
Banner
Home / Notícias Sociais / METEOROLOGISTAS PREVEEM CHUVAS DENTRO DA MÉDIA ENTRE MARÇO E MAIO NO RN

METEOROLOGISTAS PREVEEM CHUVAS DENTRO DA MÉDIA ENTRE MARÇO E MAIO NO RN

As chuvas no semiárido potiguar devem ficar dentro da média nos meses de março, abril e maio de 2019, segundo previsão de meteorologistas do Nordeste e do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC/Inpe) que estiveram reunidos em Natal nesta quinta-feira, 21. No Rio Grande do Norte, o semiárido é composto pelas regiões Central, Oeste e boa parte do Agreste.

Se a previsão for confirmada, deverá chover mais este ano do que no ano passado. Em 2018, choveu no RN apenas 7% abaixo da média esperada, o que indicou que o Estado se recupera de seis anos de seca severa (chuvas bem abaixo da média).
A conclusão dos meteorologistas se deu após análise dos campos atmosféricos e oceânicos de grande escala (vento em superfície e em altitude, pressão ao nível do mar e temperatura da superfície do mar, entre outros fatores) e de relatórios de vários institutos de meteorologia do Brasil, como Inmet, Funceme e o próprio CPTEC/Inpe.

chuvas

Em todo o Rio Grande do Norte, a média de chuva prevista para o trimestre é 433 mm acumulados. A região mais chuvosa deve ser a Leste, onde está a capital, Natal. A média esperada nessa área é de 533,8 mm. No Agreste, deve chover abaixo da média: 343,2 mm acumulados.
De acordo com o meteorologista Gilmar Bristot, da Empresa de Pesquisa Agropecuária do RN (Emparn), o Fenômeno El Niño segue atuando no Oceano Pacífico Equatorial com intensidade fraca, mas ocupando uma grande área na superfície. “A permanência dessa condição vem ocorrendo de acordo com os resultados dos modelos de previsão de anomalia de TSM, e projetam que essa condição permanecerá nos próximos meses”, afirmou Bistrot, que participou da reunião climática.

Os meteorologistas também observaram que o Oceano Atlântico Sul deve se manter mais aquecido que a parte norte. Essa condição termodinâmica no comportamento do Atlântico é necessária para que ocorra o deslocamento e a manutenção da Zona de Convergência Intertropical, principal causador das chuvas no Norte e no Nordeste do País entre fevereiro e maio.
Em janeiro, a reunião climática – que aconteceu em Fortaleza (CE) – concluiu que choveria acima da média entre fevereiro e abril. E, segundo a Emparn, vem chovendo bem desde então. Até esta sexta-feira, 22, já são 105 municípios potiguares com volume acumulado de chuvas de normal a acima do normal, o que para os meteorologistas já caracteriza o início do período chuvoso no sertão potiguar.

Participaram da elaboração desse prognóstico para o período chuvoso no semiárido nordestino representantes da Emparn e da Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac); da Agência Executiva de Águas do Estado da Paraíba (Aesa); do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia (Inema); do CPTEC/Inpe; e da Universidade Federal Rural do Semiárido (Ufersa).

Sobre Marcos Almeida

Marcos Almeida

Veja também!

A 10 DIAS DO FIM DO PRAZO, MAIS DE 300 MIL PESSOAS NÃO SE VACINARAM CONTRA INFLUENZA NO RN

Mais de 300 mil pessoas consideradas do público-alvo ainda não se vacinaram contra o vírus …