Sábado , Abril 17 2021
Slider

RIO GRANDE DO NORTE CORRE RISCO DE TER NOVA VARIANTE DO CORONAVÍRUS COM ORIGEM EM TERRITÓRIO LOCAL

O Rio Grande do Norte corre risco de ter uma nova variante do coronavírus com origem local em breve. Ao longo dos últimos meses, o Sars-CoV-2 tem passado por mutações consideradas naturais por cientistas. O problema é que as novas cepas são mais transmissíveis e letais, ou seja, se espalham rapidamente e causam casos mais graves de Covid-19.

O gigantesco número de novos casos diários no Brasil denota um descontrole da pandemia e aponta que, quanto mais o vírus circula e se replica dentro de seres humanos, maior a chance de acumular mutações e gerar novas versões. Mundialmente, já foram detectadas quase mil variantes do coronavírus — uma média de 60 a 100 circulam no Brasil. Há algumas variantes/ linhagens que surgiram no País e chamam a atenção: B.1.1.29; B.1.1.28; B.1.1.33; P.1 (derivada da B.1.1.28 e conhecida como a variante de Manaus); e P.2 (derivada da B.1.1.28 e conhecida como a variante do Rio de Janeiro). Mais recentemente, foi identificada a variante N9, encontrada originalmente em São Paulo e derivada da linhagem B.1.1.33.

No fim de março, uma nova variante do coronavírus foi identificada em Sorocaba (SP). Conforme o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, a variante é parecida com a da África do Sul, mas, como a paciente infectada não tem histórico de viagem, não está descartada a hipótese de que seja uma nova variante, ou seja, uma evolução das que já existem. Além dessas, há outras duas registradas: a do Reino Unido (B.1.1.7) e a da África do Sul (B.1.351). No Rio Grande do Norte, atualmente, existem quatro variantes do coronavírus em circulação, segundo o virologista, professor da UFRN e membro do comitê científico que assessora do Governo do Estado, Josélio Araújo.

 

 

No dia 20 de fevereiro, o Rio Grande do Norte entrou em fase de alerta quando foi identificada a circulação das variantes P.1 e P.2. Ao Agora RN, o especialista confirmou que a frequência maior das variantes identificadas em pacientes potiguares foi a da P.2 (47%), seguida pela P.1 (35%), B.1.1.29 (12%) e B.1.1.33 (6%). Para o professor, há chances de surgimento de uma nova variante do coronavírus no Estado. Segundo ele, a falta de medidas que diminuam a circulação de pessoas e o atraso na vacinação podem gerar linhagens mais perigosas. “Com o tempo, algumas variantes serão extintas e novas serão introduzidas”, apontou. Josélio Araújo acredita que apenas a ampla cobertura vacinal pode evitar o surgimento local de uma nova variante do coronavírus. No entanto, a vacinação no Brasil segue um ritmo lento quando comparado a outros países. Como o fornecimento de vacinas é feito pelo Governo Federal, a campanha de imunização continua vagarosa também no RN. Até esta quinta-feira 1º, o estado tinha 306 mil pessoas vacinadas, dentro de uma população total de 3,5 milhões.

Sobre Marcos Almeida

Veja também!

APÓS REUNIÃO, COMITÊ CIENTÍFICO DO RN INDICA QUE NÃO HÁ CONDIÇÕES PARA VOLTA ÀS AULAS PRESENCIAIS

Indicadores da epidemia no Estado ainda indicam alta transmissão comunitária do coronavírus, segundo membro do …